ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Até que Marte nos separe

Até que Marte nos separe

Marte sempre despertou a curiosidade da humanidade. Junto de Vênus, o Planeta Vermelho tem sido o fascínio de gerações de estudiosos e leigos na reta do tempo. Muito embora Vênus tenha ganho destaque pelo seu brilho inconfundível na aurora, hoje sabe-se que nem tudo que brilha é bom em matéria de espaço sideral. Vênus, a Estrela da Manhã, é, na verdade, um inferno gasoso.

Bem diferente é o quarto planeta do Sistema Solar. Marte, o deus da guerra, recebeu este nome devido à sua coloração avermelhada. A presença de ferro em sua atmosfera faz o céu de Marte também ficar vermelho. Todavia, não obstante sua cor intimidadora, Marte continua fascinando e recebendo milhões e milhões em pesquisa. Ainda na década de sessenta, Marte já era objeto de missões espaciais.

Nações mais desenvolvidas, que bancam a onerosa pesquisa marciana, falam em colonização do Sistema Solar. Em casos de uma catástrofe natural de nosso planeta, por exemplo, a colisão de um asteróide, a raça humana poderia ser salva em Marte, na Lua ou em outro corpo celeste iluminado mais perto de nós.

O que parece ficção para alguns, é assunto sério dos países patrocinadores e de seu corpo de cientistas. Hoje, existem várias missões estudando o planeta e a Nasa pretende enviar um helicóptero à Marte ainda no próximo 2020.

Marte recebe tanta atenção por algumas condições que o aproximam do nosso planeta Terra. O dia marciano tem quase a mesma duração e temperatura da Terra. Pensa-se que Marte pode ter abrigado alguma forma de vida no passado. Pensa-se também que existe água líquida em determinada estação no planeta vizinho. É muita dúvida que só dando uma voltinha lá!

A atmosfera é a grande questão, o obstáculo mais sério para uma colonização humana. Marte não tem a nossa atmosfera. Seria necessário o planeta vermelho passar por um processo de “terraformação”. Isto significa criar uma atmosfera em laboratório, o que seria feito através de reações químicas no céu de Marte. Eis a grande questão, que divide a opinião de especialistas, afirmando alguns que se trata de ficção.

Mas, não duvidemos de nada. O homem tem enviado missões tripuladas à Lua. O homem tem vasculhado o Sistema Solar. Enquanto dormimos, a ciência não para de trabalhar. Marte continua sendo a grande aposta, a mais fabulosa corrida espacial que os terráqueos já viram. Depois de enviar o helicóptero, a Nasa pode pensar em uma missão tripulada. Aliás, duzentas mil pessoas já se candidataram a participar do projeto Mars Onde, que pretende levar imigrantes à Marte em 2023, segundo a revista Planeta.

Viajar para Marte em 2023 será uma viagem sem volta. Só existe bilhete de ida, e ninguém nem tem certeza de que pisará no Planeta Vermelho. Porém, como a ciência tem a persistência da água, um dia essa pedra de dificuldade poderá ser furada. Quem sabe, em séculos futuros, humanos poderão passar férias em Marte. A largada já foi dada, com muito dinheiro e ciência. Até o momento, o que sabemos mesmo é que existe uma imensa lista de passageiros, de várias nações, inclusive Brasil, querendo viajar mais longe.

Pode ser que num futuro distante a morte não seja mais a principal referência de separação entre humanos. Quem sabe a condicional ganhará mais este elemento. Sendo assim, poderemos viver juntos neste mundo até que Marte nos separe.

Rui Raiol é escritor (Site: www.ruiraiol.com.br)