NOTÍCIASÚLTIMAS NOTÍCIAS

A TERRA E O PLANETA B 612

Graças a Deus, fisicamente, o nosso mundo não se compara ao Planeta B 612, lar do Pequeno Príncipe, personagem do imortal Antoine de SaintExupéry. O Planeta B 612 é um mundozinho, onde só existe uma rosa e três vulcões. A Terra, uma extensão de 510 milhões de km², recoberta em grande parte pelos oceanos.

O que salva a Terra é justamente a sua grandeza. A história de sua denominação pelo homem é também a história da impossibilidade de se dominar esse mundo gigante. Embora a Terra não seja o maior planeta que conhecemos, considerado um anão perante Júpiter, por exemplo, para a nossa existência representa o maior de todos os desafios. O mundo nos freia.

Assim tem sido desde sempre. Os grandes impérios da Antiguidade morreram, em parte, por causa dessa causa. Babilônia cresceu e se multiplicou. A Assíria foi muito forte. O governo medo-persa fez história. A Grécia se tornou gigante, sendo dominada mais tarde pelo poderoso Império Romano. Porém, todos caíram. Aníbal, o Grande, transpôs montanhas para humilhar os romanos em seu próprio território, todavia, não pôde evitar a queda de sua Cartago, pois grande era a distância física entre Roma e o norte da África.

O homem é considerado a única espécie ubíqua, isto é, a única que pode viver em todas as áreas da Terra. Porém, apesar de sua ubiquidade, o homem não consegue dominar o mundo. Desde a remotíssima Torre de Babel, a ideia de fincar estacas para a construção de um tipo de sede mundial tem fracassado. Não obstante o homem atual possa sobrevoar o mundo em 24 horas, não tem conseguido dominá-lo durante os séculos.

Ficamos impressionados com a ousadia de alguns governos. Coreia do Norte permanece fechada. China, Rússia e até a nossa vizinha Venezuela parecem-me viver dominados pela fantasia de impor ao mundo os seus caprichos. Ao longo do tempo, barreiras têm sido erguidas. A poderosa muralha da China do passado, hoje, é algo para ser visto do espaço. Tem latitude, mas a longitude foi vencida. O muro de Berlim já veio abaixo. Hugo Chávez morreu. Lenin e Gengis Khan, também. O mundo é uma fera difícil de dominar.

O mundo é um caldeirão de culturas. Sete bilhões de almas vivem juntas mas pensam diferente. Não dá para ser chinês e índio ao mesmo tempo. As grandes distâncias físicas criam milhares e milhares de outras diferenças. Raciais. Políticas. Religiosas. Filosóficas. Considerando a repartição de tantos pensamentos, a Terra é um tipo de confederação de povos diversos. É como se o terceiro planeta do Sistema Solar hospedasse alienígenas de mundos diversificados.

O que salva o mundo da vaidade humana é a sua grande extensão. O homem tenta, mas não dá. Abre um canalzinho aqui, mas não transpõe os mares. Há cordilheiras desafiadoras, aparentes e escondidas. A maior cadeia de montanhas está submersa, a Espinha Dorsal do Atlântico, base de Fernando de Noronha. Submarinos, cuidado! E avião não transporta o mundo. A carga é bem limitada. Para vencer, o homem teria de conquistar cada palmo da Terra, mas é terra demais para andar. Além disso, dois terços é líquido, tem maresia e tubarão. E a vida não espera tantos passos. Setenta, oitenta, e já descemos ao pó, viramos água ou ar.

Se a gente notar direito, veremos que dominar o mundo é a mais velha das vaidades, seja em nome de Deus ou em nome de homem. Foi isso que matou Nero. Imortalizou faraós insurretos. Foi isso que dizimou o magno Alexandre, aos seus 33 anos de idade. O mundo é muito grande. Tem muita terra para andar. Florestas. Charcos. Mares. Tem infernais desertos de dia transformados em gelo de noite. Um mundo de águas profundas. Quilômetros e quilômetros abissais. Não dá para dominar essa fera. A Rússia briga com a vizinhança.

Israel briga com seus inimigos autorizados. Mísseis. Dor. Morte. Mas em terras brasileiras não se sente nada. Parece que estamos noutro mundo. Estamos não. É a Terra gigante, o maior desafio dos presunçosos. Onde nasce e morre toda vaidade. Nem a nossa rua se compara ao Planeta B 612.

Rui Raiol é escritor. Site: www.ruiraiol.com.br

Publicado no jornal O Liberal em 12/8/2014