EXPERIÊNCIAS DE FÉ

Desconhecido empresta todo seu salário

Este milagre aconteceu em 1986, em Belém do Pará.

Após morar 7 anos no Amapá, eu estava de volta ao Pará para cursar faculdade. Fora transferido com o emprego, porém meus vencimentos – um salário mínimo – continuavam sendo pagos naquele estado. Isso era um transtorno. Muitas vezes, o repasse atrasava. Então, a situação financeira ficava ainda mais complicada.

Certa manhã, saí para a universidade sem deixar nada em casa. Os últimos centavos utilizara para comprar pão. Humanamente, não havia saída. Não tínhamos parentes nem conhecidos de quem tomar emprestado.

No caminho da sala de aula, orei ao Senhor. Disse-lhe: “Deus, sabes que não deixei um único centavo em casa. Mas, creio que o Senhor pode providenciar nosso alimento. Por favor, Senhor, envie recursos, pois quando voltar da aula espero encontrar uma mesa farta!”

Próximo de meio-dia, estava eu de volta. Faminto, entrei na viela onde morava. E foi, após alguns metros, que senti um cheiro irresistível de comida, algo muito saboroso. Quanto mais andava, convencia-me que o aroma vinha de casa. E vinha mesmo! Abrindo a porta da sala, deparei com uma mesa repleta: carne assada, arroz, feijão, farinha… Um banquete!

E o milagre foi este: logo que saí de casa, um desconhecido bateu à porta. Minha esposa foi abrir, e notou que era um jovem sujo de cimento, aparentando trabalhar com construção civil. Ele pediu um copo d’água. Na hora de agradecer, saiu-se com esta conversa:
– Senhora, estou numa enrascada!
– O que houve?
– É que acabo de receber minha semana de trabalho e não quero gastar… Trabalho naquela construção ali.
– Como assim? – interessou-se a interlocutora.
– É que eu vou precisar desse dinheiro daqui a dez dias. Mas, se ele ficar comigo, vou acabar gastando… Não sei o que fazer.
– Acho que posso lhe ajudar! – disse minha esposa.
– Como?
– É o seguinte: você me empresta esse dinheiro. Daqui a uma semana meu esposo recebe, então lhe pago.
– OK!

Foi assim que uma pessoa abriu sua carteira e entregou todo o seu salário a alguém que não conhecia.
Graças a essa providência divina, tivemos mantimento por uma semana. E o trabalhador, usado por Deus, recebeu seu salário de volta e pôde empregar no que precisava.

Glória a Jesus!