EXPERIÊNCIAS DE FÉ

A revelação da minha vida

O título acima bem expressa a revelação que compartilharei agora. Na verdade, minha pessoa e, mais propriamente, o ministério são frutos dessa visão que o Senhor trouxe a mim no ano de 1983.

Em 1983, eu trabalhava na extinta Sucam, hoje Fundação Nacional de Saúde. No mês de julho daquele ano, viajei com um grupo de colegas para um trabalho de borrifação de inseticida pelo interior do Amapá. Começamos pelo município de Serra do Navio.

Cansado, após um dia de trabalho sob o sol causticante naquele estado cortado pela Linha do Equador, adormeci rapidamente. E Deus falou comigo de modo maravilhoso!

Diante de mim, um terreno e uma ferramenta de cavar. Mais nada. Por impulso próprio, pus-me a abrir um buraco retangular naquele chão, com aproximadamente 3 metros de comprimento por 1,5 metro de largura. Fui cavando e descendo cada vez mais.

Quando estava cerca de 1,5 metro de profundidade, começaram a surgir livros, muitos livros. Todos novos, com suas capas coloridas e bordas alvas, ainda com cheiro de gráfica. Fui arrancando os livros do meio da terra. Eram muitos: dezenas, centenas, milhares. Fui amontoando tudo sobre a terra revolvida à borda do buraco até que minhas mãos não conseguiram mais alcançar. Nessa hora, dei um saldo da rede.

Meus colegas dormiam naquele barracão pobre. Mas eu, sozinho, sentado no humilde leito, sabia que o sonho não era comum. Então ajoelhei-me e pedi que Deus me falasse acerca disso. Mas não houve resposta. Depois de algum tempo, o cansaço me venceu, e dormi.

Ao cair no sono, a cena inicial se repetiu. De novo estava eu diante do terreno e com o mesmo ferro de cavar. E o trabalho seguiu exatamente como na primeira vez. Todavia, quando atingi a profundidade dos livros, comecei a descobrir roupas. Centenas. Milhares de peças, para todas as idades. Elas eram tiradas do chão como se arranca batatas.

Mas não eram roupas comuns. Eram feitas de um tecido que nunca vi e desconfio que haja na Terra. Em tons azul claro e branco, aquelas vestimentas eram de um tecido fino e maleável, como a mais pura seda. Não tinham um amassado sequer. De tão limpas, as peças de roupas tinham luz própria. Elas vinham fosforecendo diante dos meus olhos enquanto as arrancava do meio da terra. Brilhavam mais do que as estrelas. Assim fui empilhando as roupas em torno do enorme buraco, e não se esgotavam. Parei quando não pude mais alcançar o solo. De novo, saltei da rede. Era algo impressionante!

Como da primeira vez, fui orar, e disse para Deus: “Senhor, agora estou mais confuso. Não entendi o primeiro sonho, muito menos este. Por favor, venha falar comigo sobre isso!” Nessa hora, a voz do Espírito Santo soou em coração, dizendo que os sonhos falavam sobre o meu futuro. Disse-me o Senhor que minha vida seria dividida em duas fases. E foi tudo.

Em 1995, quando aodeci, comecei a escrever livros. E nunca mais parei de escrever. Logo vieram os testemunhos. Segundo o que o Senhor me disse mais tarde, as roupas são as pessoas de todas as idades que têm sido edificadas por este ministério.
Você é uma delas!